Um blogue pessoal mas... transmissível

25
Fev 09

 

Este ano, estive para não festejar o Carnaval mas uns bons e velhos amigos desafiaram-me a fazê-lo. Devido às circunstâncias actuais, achei que não era muito coerente festejá-lo mas, por outro lado, pensei que era uma forma de esquecer o momento difícil por que estou a passar. De qualquer maneira, o Carnaval já não me diz tanto como há uns anos atrás em que esta época era vivida de uma forma intensa e especial. A fantasia era preparada ao pormenor e aguardava-se ansiosamente pela hora de a vestirmos. Depois rumava-se ao sítio onde se concentrava o pessoal do burgo e arredores e aí se passava a noite entre copos, música e muito divertimento. Hoje, por várias razões, já não é bem assim. Ainda por cima este ano não estive com disposição para preparar a fantasia. E nem sequer pensei nisso. O P. e a D. bem insistiram para que eu me mascarasse mas eu decidi que este ano não iria fantasiar-me. Como que a querer dizer que por andar a usar uma máscara durante todo o ano não via razão para usar mais uma no Carnaval... O certo é que acabei por aceitar o convite porque todos os motivos são válidos para sair de casa. Como em anos anteriores, escolhemos o sítio para onde converge o pessoal conhecido. A festa estava bem animada, fantasias para todos os gostos, boa música, ambiente muito divertido. Porque afinal o que interessa é esquecer tudo, nem que seja por umas horas de puro divertimento. A noite até foi muito divertida. Foi quase uma directa. Regressámos a casa já quase o sol despontava. Estava morto de cansaço. Apesar disso, dormi poucas horas. Mas desta vez dormi bem.

 

Quando finalmente me levantei, reparei que a G. tinha enviado uma sms a convidar-me para sair. Fiquei contente com esse gesto, porque ainda não tinha estado pessoalmente com ela desde que lhe revelei a minha orientação sexual. Combinámos ir até à praia mais próxima para dar uma volta e conversar um pouco. Fui apanhá-la a casa e rapidamente nos pusemos na praia. Estava um belíssimo dia de sol. Sentámo-nos no areal e ali estivemos à conversa até ao sol-posto. Voltou a falar-se do mesmo assunto (homossexualidade) e posso dizer que a G. está a impressionar-me pela positiva. No entanto, persistem as dúvidas e eu, com uma paciência de chinês, lá vou tentando esclarecê-las... Finalmente, fomos lanchar a um bar da referida praia. E bem poderia ter saltado esta parte. É que ao sairmos e envolvidos pela conversa que estávamos a ter, nem reparámos que os meus óculos de sol ficaram em cima da mesa. Eu sou "despistado" por natureza mas nunca me tinha acontecido uma coisa dessas. Só quando cheguei a casa é que reparei que me faltavam os óculos de sol. De nada valeu voltar ao bar. Já tinham sido levados por algum "amigo do alheio"... Infelizmente, gente desonesta é uma praga que existe por todo o lado. Em menos de meio ano, fiquei sem um telemóvel,  sem o leitor de MP3 e agora sem os óculos de sol. O que virá a seguir?...

 

publicado por Pensador Insuspeito às 22:26

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
21

24


subscrever feeds
pensamentos que aqui deixaram
Olá!Também entrei hoje oficialmente de férias!=)E ...
Hmmm...simplesmnete o tipo ve a sua realidade ameç...
Que vergonha...só agora reparei que estás de volta...
Boas férias...e boa música.
Não sei se posso dizer que sou um frequentador da ...
Pinguim, ainda bem que gostaste. O tema é aliciant...
Toby, realmente com mentes tão tortuosas só se pod...
J. Coelho, como disse na resposta ao comentário an...
João, claro que o engate é independente dos locais...
Gostei imenso do teu texto.Parabéns! Abraço.
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO