Um blogue pessoal mas... transmissível

28
Jul 09

 

 

Neste fim-de-semana, eu e o R. decidimos fazer uma incursão na noite gay da Cidade Invicta. Confesso que há muito tempo que não frequentava a "cena gay" porque de cada vez que o fazia sentia que estava a desperdiçar o meu tempo e que aquele ambiente estereotipado pouco tinha a ver comigo.

 

Além disso, não sou grande apologista de locais que se podem confundir facilmente com guetos para onde se procuram atirar as pessoas indesejadas com o intuito de as ocultar da vista do comum dos mortais. É por estas e outras que a homossexualidade passa quase despercebida à grande maioria das pessoas. Sabem que existe mas encaram os homossexuais como alienígenas que se encontram regularmente em locais muito estranhos e obscuros. E por isso a homofobia continua a campear, especialmente nos pequenos meios, onde os homossexuais ainda têm mais propensão a "esconder-se" em locais como esses. Para mim, a homossexualidade tem de vir cada vez mais para a luz do dia e os homossexuais têm de "misturar-se" com todas as outras pessoas. Mas isto daria assunto para outro post/pensamento.

 

O que é certo é que o R. propôs-me uma noite de sábado diferente e desta vez eu acedi. De tudo o que pude observar nos locais por onde passámos - primeiro um bar gay friendly e seguidamente uma disco gay - é que realmente pouca coisa muda com o passar dos anos. À primeira vista, o ambiente até pode ser descontraído e agradável, mas rapidamente apercebemo-nos que a imensa maioria dos gays está ali com um propósito bem definido: engatar. Não interessa quem. O que interessa é engatar alguém para aquela noite ou para o que resta dela. É um autêntico "mercado de carne"... Acresce que muitas destas pessoas têm uma propensão doentia para opinar sobre a vida dos amigos, conhecidos, ex-namorados. Comenta-se sobre quem anda com quem, sobre o facto de A. e B. terem rompido, que C. anda à procura de nova relação, que D. veste mal, que E. engordou...

 

Posso estar a ser exagerado e a tomar a parte pelo todo, mas causa-me imensa confusão ver toda aquela gente com o único propósito de engatar alguém para uma noite de sexo. Acho que cada um deve ser livre de fazer o que quiser com a sua vida desde que isso não afecte a vida de terceiros. No entanto, questiono-me sempre sobre a razão de ser de um comportamento tão promíscuo. Será que ninguém tem expectativas mais elevadas em relação à sua vida sentimental? Parece que nestes meios tudo gira em torno do sexo e que para além dele nada mais existe. Eu gosto muito de sexo mas no estádio actual da minha existência já não me contento com sexo puro e duro. Para mim, actualmente, sexo sem amor não faz qualquer sentido. Porque sexo sem amor é um acto puramente mecânico sem aquele misto de sentimentos que só o sexo entre duas pessoas que se amam pode oferecer.

 

Depois ninguém se lembra que, por alguma razão, o sexo pode acabar de um dia para o outro, e nesse caso não fica mais nada. Não existe amor, carinho, companheirismo. Fica apenas solidão, carência, vazio. E frequentemente isso é a porta aberta para o suicídio. Por outro lado, também os gays envelhecem e quantas vezes, no meio da solidão e do desespero, procuram construir aquilo que na juventude e meia-idade não quiseram ou não foram capazes de construir. Parece que ninguém ou quase ninguém quer investir numa relação estável e duradoura que possa oferecer segurança e bem-estar na velhice.

 

E para não me alongar mais neste pensamento, diria que depois desta noite a minha opinião sobre estes locais em nada mudou. Apesar de estar acompanhado pelo meu namorado, fui insistentemente penetrado pelos olhares de quem ali se encontrava e por duas vezes até fui apalpado. Então quando o R. foi apalpado quase me passei! Por isso, resolvemos sair dali e procurar um local menos "obscuro" para acabar a noite...

 


16
Jul 09

 

 

No fim-de-semana passado, depois de jantarmos em casa do amigo de que falei no post anterior, eu e o R. fomos assistir ao concerto que os Deolinda deram numa cidade vizinha. Confesso que não ia com grandes expectativas, uma vez que não conhecia praticamente nada do repertório do grupo. Todavia, fui lendo críticas muito positivas a seu respeito e por isso mesmo quis constatar pessoalmente o sucesso que o grupo vem alcançando por toda a parte onde tem actuado.

 

Infelizmente, a sala não estava cheia mas ainda assim o ambiente era caloroso. À medida que o concerto se ia desenvolvendo, foram sendo vencidas as minhas resistências à novidade que constitui um grupo cujas canções se inspiram no fado mas também nas marchas populares e noutros sons urbanos menos recentes. Para isso contribuiu em muito a presença, o timbre de voz e os rasgos de falsa agressividade da vocalista Ana Bacalhau e a qualidade técnica dos músicos que a acompanham. Acresce dizer que o concerto, à semelhança das letras das músicas e do próprio tratamento gráfico dado ao CD, conduz-nos a um certo imaginário lisboeta, representado pela personagem Deolinda, e que no espectáculo ao vivo é subtilmente aludido pela presença da mesinha e das camilhas, que no entanto poderá passar despercebida aos mais desatentos.

 

O concerto foi assim uma agradável surpresa pela sonoridade e forma de estar diferentes dos Deolinda, o que constitui uma autêntica lufada de ar fresco no panorama musical português da actualidade. Para ouvir, escolhi "Clandestino", uma das faixas do álbum "Canção ao Lado", o álbum de estreia do grupo, editado em Abril do ano passado.

 

 

 


30
Mar 09

 

 

 

Este fim-de-semana, tive o prazer de assistir ao concerto de Nneka no Cinema Batalha, no Porto, onde a cantora apresentou o seu mais recente trabalho, intitulado "No Longer at Ease". Já não entrava na sala do Cinema Batalha há muito tempo. Depois de reabrir em 2006, o grande auditório, que tem uma acústica excelente, acolhe espectáculos de música e de cinema. Neste concerto, pude constatar ao vivo tudo o que já tinha lido e ouvido acerca de Nneka. Impressionou-me sobretudo a forma como a cantora apelou às coisas simples da vida, que muitas vezes nos passam ao lado, e aos graves problemas mundiais que ainda aguardam uma solução, como sejam a corrupção, o subdesenvolvimento, a exploração das riquezas naturais dos países do terceiro mundo às mãos dos interesses das grandes multinacionais europeias e norte-americanas. Oriunda da Nigéria, Nneka sabe do que fala, especialmente quando se refere à exploração abusiva de petróleo no delta do rio Níger, local onde nasceu e cresceu. Por isso mesmo, Nneka é mais que uma cantora. Nneka é uma voz de intervenção, que faz muito mais do que mostrar a sua música e foi dessa forma interventiva que a cantora se mostrou durante todo o concerto. De aspecto aparentemente singelo, com ar de menina rebelde, Nneka fala como uma criança, de coração e mente abertos, mas com uma consciência social e política madura e acima da média. Sendo possuidora de uns dotes vocais invejáveis e acompanhada por uma excelente banda, Nneka canta as suas músicas, quase que seguindo um ritual de explicação das mesmas. E é nisso que Nneka difere de outras cantoras soul: a jovem nigeriana conseguiu criar um ambiente de cumplicidade com o público, mantendo uma conversa animada e por vezes emotiva. Depois de uma semana de trabalho muito cansativa, foi um dos melhores concertos a que alguma vez assisti. Para ouvir, escolhi a música que mais fez o Cinema Batalha vibrar, "Heartbeat".

 

 

 

 

publicado por Pensador Insuspeito às 17:41

23
Mar 09

 

Este primeiro fim-de-semana de primavera ficou marcado pelo reaparecimento na minha vida de alguém de quem não tinha quaisquer notícias há mais de três anos. Através de um simples mail tive a inesperada surpresa de ver o A. entrar novamente na minha vida. Nunca falei aqui deste amigo tão especial, um amigo daqueles que se conhecem em momentos decisivos e que nos marcam para o resto da vida, mesmo que por força das circunstâncias os nossos caminhos sigam rumos diferentes e deixemos de nos contactar com a frequência que desejávamos. Foi o que aconteceu entre mim e o A.. Uma bela amizade que não resistiu à distância e ao tempo… até agora.

 

Intitulei este post/pensamento de "Não há coincidências...". Muita gente diz-me que sim. Que há coincidências. E para justificar a sua posição, acenam-me com factos e argumentos, à primeira vista irrefutáveis. Eu, porém, continuo a pensar que não. O que interessa é saber interpretar adequadamente os sinais que se escondem por detrás dos acontecimentos que são considerados por muitos como coincidências. Provavelmente só mais tarde, quando os acontecimentos já estiverem suficientemente maturados, é que se conseguem desvendar completamente as razões pelas quais um simples acontecimento é encarado como uma grande coincidência. Até lá, apenas podemos fazer conjecturas e arriscar explicações.


Contrariamente ao que penso, considero que o facto de o A. ter entrado de novo em contacto comigo neste momento é uma grande coincidência. No momento em que um grande amor sai da minha vida, aparece alguém por quem continuo a nutrir um carinho muito especial... Sendo uma pessoa de afectos, costumo ligar-me demasiadamente aos amigos. Por isso mesmo, quando se dão os afastamentos e se quebram as amizades, sofro a dobrar. Mas é assim que eu continuo a viver as minhas amizades, mesmo contra todos os ventos e marés. Voltando à razão de ser deste reaparecimento do A. na minha vida, tenho para mim que este facto, quando nada o fazia prever, quer mostrar-me alguma coisa, precisamente quando estou a tentar libertar-me das amarras que ainda me prendem ao M..

 

É no meio de um enorme turbilhão de sentimentos e emoções, quando ainda quero acalentar uma réstia de esperança de que algo possa mudar em relação ao M. e ao mesmo tempo tento convencer-me do contrário, que novos factos vêm juntar-se à história e pessoas que são importantes para mim entram de novo em cena. Começo a pensar que no palco em que decorre a representação da minha vida já não cabe mais ninguém. Estão lá todos os personagens. A representação entrou em cena. O sucesso está garantido. Pelo menos, para quem assiste à representação não será um tempo mal empregue... Já para mim estes acontecimentos, aparentemente sem qualquer significado especial, colocam-me sempre novas questões. Por isso mesmo, acho que a representação da minha vida está a ficar demasiado complexa…


Devo dizer que eu e o A. mantivemos ao longo de anos uma relação de grande amizade. Não uma "amizade colorida", mas uma grande amizade. De todas as pessoas com quem travei amizade ao longo da vida, foi talvez a pessoa com quem mais me identifiquei em todos os sentidos e com a qual mantive sempre uma relação de grande cumplicidade. Sem margem de erro, diria que nas minhas relações amorosas nunca existiu uma tal comunhão de sentimentos. Podem então perguntar-me porque é que as coisas nunca avançaram noutro sentido. Apesar de me questionar muitas vezes o porquê de isso não ter acontecido, arrisco agora uma explicação. Talvez porque a nossa amizade se sobrepôs a tudo o resto e foi considerada, ao menos tacitamente, como algo ainda mais importante do que qualquer relação de amor e que era preciso manter a todo o custo. Porque como disse atrás, o A. apareceu na minha vida num período deveras complicado, em que foi preciso tomar decisões difíceis, e a sua indefectível amizade foi determinante para mim nesses momentos. Mas isto são apenas divagações de alguém que gosta de discorrer pensamentos sobre pequenas coisas que lhe vão acontecendo no dia-a-dia…
 


16
Mar 09

 

Haverá melhor maneira de passar um fim-de-semana do que a gozar o dolce fare niente e a aproveitar o esplêndido sol que estes dias de final de inverno nos têm proporcionado? Claro que sim, dir-me-ão vocês. E eu acredito! Aliás, eu também penso que há uma e bem melhor. Passá-lo nos braços do meu Amor! Mas como tal não é possível, por agora resta-me passá-lo da melhor forma que sei e posso. Neste sentido, creio que existe sempre um grande nível de insatisfação entre aquilo que queremos e aquilo que podemos. E isso manifesta-se em qualquer idade. Senão vejamos. É a criança que faz uma birra monumental quando os pais não lhe compram o último jogo da PlayStation. É o adolescente que entra em depressão só porque o pai não autoriza tantas saídas à noite quantas a que ele desejava. É o adulto que fica à beira de um ataque de nervos só porque o vizinho do lado já tem o último modelo do carro dos seus sonhos e ele provavelmente nunca o conseguirá adquirir. É o casal que entra em crise conjugal porque não consegue alcançar um nível de satisfação sexual adequado. E assim por diante.

 

Aliás, penso que a insatisfação é um sentimento que nos acompanha ao longo de toda a vida. No entanto, encarado de forma positiva, pode ajudar-nos a concretizar projectos de vida e a alcançar metas. Não creio que a insatisfação em si seja algo negativo. O que poderá acontecer é que esse sentimento se prolongue por tempo indeterminado e se venha a tornar quase patológico. Por conseguinte, há que saber manter o ténue equilíbrio entre aquilo que se quer e o que se pode. Porque afinal existem coisas que nunca poderemos alcançar ou mudar. Algumas características físicas, por exemplo. Ainda assim, acredito que a este respeito a vida ajuda-nos sempre a lidar com a impossibilidade da mudança e a aceitar aquilo que não é passível de ser alterado. Mas voltando ao fim-de-semana, é sempre muito agradável passá-lo desta maneira descontraída… Assim dá gosto viver e esquecem-se por momentos as coisas desagradáveis do dia-a-dia e os muitos problemas que ainda povoam o meu pensamento. Pelo menos, nestes dias é possível dar boa vida a este computador, porque também ele merece descansar…

 


09
Mar 09

 

Fazendo a retrospectiva do fim-de-semana que passou, fico com a sensação que estou a deixar fugir a minha vida como areia por entre os dedos das mãos. Por diversos motivos, tenho adiado a conclusão do mestrado que estou a fazer. Nos últimos dois meses, a tese tem estado arrumada a um canto, à espera de dias melhores. De facto, depois da minha separação ainda não me tinha sentido com capacidade intelectual para voltar a debruçar-me sobre a dita. Mas este fim-de-semana consegui novamente pôr mãos à obra e aquilo que durante a semana tinha planeado fazer teve de ser adiado para outra ocasião. Quase não tive tempo de aproveitar os esplêndidos dias de sol deste fim de Inverno. No meio disto tudo, questiono-me sobre a utilidade de mais este grau académico. Mas sei que tenho de fazer um esforço para acabar o que comecei e não ver a minha vida eternamente adiada...

 

Do resto do mundo, nada de novo. Senão vejamos. A Igreja brasileira, com a bênção do Vaticano, anda ocupada em lançar excomunhões sobre meninas de 9 anos violadas pelos padrastos e obrigadas a abortar porque, segundo os médicos, corriam risco de vida. Nada de novo... Depois da morte do seu Presidente e do chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, a Guiné-Bissau continua a ser um país adiado, onde impera a "lei da catana" e onde a pobreza extrema convive paredes-meias com a corrupção e o narcotráfico. Nada de novo... Ontem foi o dia da mulher e embora não querendo ser desmancha-prazeres, defendo que a existência de um dia como este traz sempre uma marca sexista e discriminatória para as próprias mulheres. E pergunto-me: então se apenas o dia 8 de Março é o dia da mulher, quer dizer que os restantes 364 dias do ano são dias do homem? Nada de novo...

 

E neste jardim à beira-mar plantado também não se passou nada de novo. Que um histórico deputado do PS tenha dito numa entrevista que seria capaz de concorrer contra o seu próprio partido e ser acusado logo de seguida por um seu correligionário de "falta de carácter", não é nada de novo... Que o procurador-geral da República tenha dito que a procuradoria não funciona, não é nada de novo... Que um ilustre juiz venha reconhecer que há corrupção no futebol, não é nada de novo... Que o maior orgulho tecnológico do governo de Sócrates tenha tantos erros de português que até façam corar uma criança do 1.º ano do ensino básico, não é nada de novo... Agora que a líder da oposição tenha mudado de visual e faça lembrar algo parecido a um cruzamento entre a Margaret Thatcher e o Martini Man (esta fui roubá-la ao Eu é mais bolos... não resisti...), isso, sim, já é uma novidade digna de registo...

 

Aqui fica a fotografia que não me deixa mentir. E mais não digo...

 

 


18
Jan 09

 

 

Hoje senti-me assim... molhado até aos ossos! Pois é. Quem anda à chuva, molha-se... Palavras para quê?! Por hoje não digo mais nada!
publicado por Pensador Insuspeito às 23:01

Apesar de já não ver o M. há quase um mês (e que falta me faz...), posso dizer-vos que este fim-de-semana começou bem. Diria mesmo que começou muito bem... É que na sexta-feira garanti que vou finalmente concretizar algo que devia ter feito há muito tempo. Este ano promete... pelo menos nesse aspecto!

 

Ontem resolvi fazer uma arrumação ao escritório. Eram papeis e mais papeis que me enchiam a secretária e se espalhavam pelas estantes e até por um pequeno sofá onde gosto de me estender a ler e a ouvir um pouco de música nos intervalos dos trabalhos e das navegações pela net. Pois bem! Há muito tempo que andava a adiar esse trabalho. Também até há bem pouco tempo, todos os meus tempos livres eram dedicados ao M. e durante a semana, entre o trabalho, o ginásio e uma ou outra saída, não sentia vontade nenhuma de o fazer.

 

Ao olhar para todo aquele entulho intelectual, dei comigo a pensar até que ponto toda aquela papelada era necessária. Ando a fazer um mestrado e estou a redigir a tese, de modo que todas as vezes que falo com a orientadora, ela vem com aquelas recomendações da praxe: "Olhe que devia ler isto, e mais isto, e mais aquilo...". E lá vou eu em busca de mais informação, que muitas vezes nunca chego a ler. São montes e montes de fotocópias, porque os livros são caros e há sempre uma maneira de contornar os direitos de autor e a ASAE... No meio de tudo isto, vou redigindo a tese, muito, muito lentamente...

 

Lá para o fim do dia, ainda saí com a minha amiga G., que já não via desde o fim-de-semana passado (!). Fomos jantar ao meu restaurante italiano preferido e depois rumámos até ao bar mais in da santa terrinha porque as nossas gargantas estavam a pedir um copo. A G. é uma excelente pessoa, mas devo confessar-vos que tem um defeito do tamanho do mundo: é muito, muito, mas mesmo muito chatinha e, por isso, dá-me cabo da paciência... E depois está sempre a insinuar-se. Quer de mim algo mais do que uma simples amizade e eu já lhe fiz saber que não lhe podia dar mais do que isso. Mas ainda assim acho que não compreendeu. Quando namorava com o M., estive a ponto de lhe dizer que o meu coração já tinha dono, sabendo de antemão que ela não iria descansar enquanto não soubesse quem era. E se descobrisse era bem capaz de ser a reedição do Grande Terramoto de 1755!... Já estou a ver o argumento para o filme do ano... Não há pachorra!!!

 

Ao fim da noite, recebi uma sms do M. que me deixou a pensar e me fez ter um pouco mais de esperança. Posso estar a enganar-me a mim próprio. Mas não faz mal...

publicado por Pensador Insuspeito às 22:48

Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


pensamentos que aqui deixaram
Olá!Também entrei hoje oficialmente de férias!=)E ...
Hmmm...simplesmnete o tipo ve a sua realidade ameç...
Que vergonha...só agora reparei que estás de volta...
Boas férias...e boa música.
Não sei se posso dizer que sou um frequentador da ...
Pinguim, ainda bem que gostaste. O tema é aliciant...
Toby, realmente com mentes tão tortuosas só se pod...
J. Coelho, como disse na resposta ao comentário an...
João, claro que o engate é independente dos locais...
Gostei imenso do teu texto.Parabéns! Abraço.
Prémio "Felizes Juntos"
Create your own banner at mybannermaker.com!
A Minha Música


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

mais sobre mim
pesquisar
 
Participa Na Sondagem!
Qual a orientacao sexual de quem me visita?
Homem heterossexual
Mulher heterossexual
Gay
Lesbica
Bissexual
Nenhuma
Nao sabe
  
pollcode.com free polls
Suspeito Que Estão...
online
Suspeitos Que Por Aqui Passaram
Hit Counters
Free Hit Counters

Generated image
blogs SAPO