Um blogue pessoal mas... transmissível

27
Mar 09

 

Já referi aqui, a propósito da discussão sobre o TGV, que a sala de sessões do parlamento reabriu depois de um interregno de oito meses para se proceder a "inadiáveis" obras "tecnológicas". Parece que a "casa da democracia" manteve os mesmos traços arquitectónicos mas foi apetrechada com a mais moderna tecnologia para que os representantes da nação possam estar "up to date" com os tempos moderníssimos que vivemos. A partir de agora, a sala de sessões encontra-se equipada com 230 computadores, um por cada posto de trabalho nas bancadas dos deputados, e com quatro ecrãs de projecção de vídeo. Do ar condicionado aos equipamentos informáticos, a renovação incluiu iluminação, isolamento acústico, limpeza das pinturas e estátuas, reparação das bancadas de madeira e substituição de todo o soalho.

 

Como contribuinte generoso para a obra, devo dizer que estou muito satisfeito por o meu dinheiro proporcionar tão grande conforto e eficiência aos senhores deputados. É o plano tecnológico de Sócrates em todo o seu esplendor… Infelizmente, parece que a cerimónia de reabertura do hemiciclo não esteve à altura do acontecimento. Diz-se que foi pobrezinha e que contou apenas com um pequeno concerto pela Orquestra Metropolitana de Lisboa e pela banda da GNR. Tanto dinheiro dos contribuintes gasto para cerimónia tão miserável! Na minha opinião, podiam ter convidado a Madonna e davam ao acontecimento o brilhantismo que ele merecia. O espaço, com aqueles quatro ecrãs gigantes, estava mesmo à altura de servir de cenário a um dos próximos concertos da tournée da rainha da pop…

 

 

 

 

P. S.: Só tenho pena de não ver os senhores deputados "miles away", como diz a letra da música da Madonna...

 

publicado por Pensador Insuspeito às 17:47

26
Mar 09

 

 

A discussão sobre a (in)oportunidade da construção de uma linha férrea de alta velocidade voltou ontem ao Parlamento. Precisamente na semana em que foram conhecidos os números alarmantes sobre o desemprego em Portugal, os senhores deputados, desta vez pela mão do PSD, resolveram pela enésima vez entreterem-se num debate sobre o TGV. Agora com casinha renovada, até dá gosto. Pelo menos, parece que acabaram os dois martírios a que diariamente os senhores deputados da nação se submetiam: o calor e o tédio. O ar condicionado voltou a funcionar e haverá seguramente mais deputados a blogar, a twittar e a engrossar o número de adeptos do facebook. Mas isto são contas de outro rosário…

 

A discussão de ontem sobre o TGV serviu mais uma vez para desviar a atenção quanto aos números do desemprego. E o Governo agradece. Expliquem-me como se eu fosse muito burro, mas ainda não consegui perceber se o problema do PSD está no traçado da via férrea ou na inoportunidade da sua construção. É que realmente as cabeças pensantes deste parlamento confundem-me… Ninguém estará interessado em saber a minha opinião, muito menos o Governo e os senhores deputados, mas aqui vai. Pois, na minha humilde opinião, a construção de tal infra-estrutura é um crime e, a fazer-se, só revela que os governantes deste país perderam todo o sentido do equilíbrio e do bom senso. Portugal é um país demasiado pequeno e pobre para se aventurar na construção de uma obra megalómana como o TGV. A única coisa que ainda poderia aceitar era uma ligação por TGV entre Lisboa e Madrid e que se melhorassem substancialmente as ligações ferroviárias entre a capital e outros pontos do país, nomeadamente com o Norte e o Algarve. De contrário, não vejo como um investimento tão avultado possa ter retorno a curto ou médio prazo. Provavelmente nunca o terá e em pouco tempo estará a dar prejuízo ao país. A não ser que o Governo esteja já a pensar na possibilidade de Portugal vir a falir num prazo de 5 anos. Nesse caso, é melhor começar já a assentar os carris e a levantar as catenárias, para a bicheza poder fugir rapidamente para Espanha…

 


 

Perdoem-me se vos estou a aborrecer com o que vou dizer neste post/pensamento mas, por motivos óbvios, tudo o que envolve a Educação em Portugal interessa-me. Ontem a ministra da Educação e os dois secretários de Estado que habitualmente a acolitam estiveram no parlamento. Veio ao de cima, entre outros assuntos, a possibilidade de os professores que não entregaram os seus objectivos individuais poderem ser alvo de sanções por parte dos conselhos executivos, a quem o Ministério da Educação confiou, num gesto de absoluto desprendimento, essa ingrata tarefa.

 

Contudo, não era disso que eu queria falar agora. O outro assunto que me chamou a atenção foi a surpresa que a senhora ministra manifestou quando foi confrontada pela oposição com o incumprimento do advogado João Pedroso num contrato de ajuste directo com o Ministério da Educação, com o objectivo de fazer a compilação e sistematização das leis relativas à Educação. Com o seu habitual ar cândido, quase de donzela ultrajada nos seus mais íntimos sentimentos, a ministra veio dizer que desconhecia (!) que o seu amigo socialista fosse um "incumpridor nato" e que foi tudo uma "surpresa lamentável". Como se o irmão do também socialista Paulo Pedroso já não tivesse sido anteriormente contratado e o resultado não tivesse sido igualmente lamentável… Não satisfeita com isso, a senhora ministra ainda conseguiu negar que João Pedroso tenha sido contratado por ser seu amigo… Ora esta situação deixa-me profundamente revoltado. Enquanto o ME se dá ao luxo de esbanjar mais alguns milhares de euros do erário público, a escola onde trabalho debate-se amiúde com graves apertos financeiros. E tudo isto se passa sem quaisquer consequências políticas. Enquanto houver "jobs for the boys", "tá-se" bem…

 


16
Mar 09

 

Diz-se que os deputados da nação andam muito preocupados com a saúde dos portugueses e vai daí toca a cortar no sal que é utilizado no pão que se consome neste jardim à beira-mar plantado. Já aqui escrevi sobre a tentação dos legisladores em imiscuir-se na liberdade individual dos cidadãos. E neste caso em particular, essa tentação vem ao de cima de forma quase anedótica. Mesmo que seja em nome da "saúde pública", que é inegavelmente um bem a acautelar por todos, a começar pelo Estado. No entanto, e correndo o risco de me repetir, entendo esta atitude como uma espécie de asfixia que o Estado impõe ao indivíduo. Não está em causa saber se menos quantidade de sal no pão é mais benéfico ou não para a saúde dos portugueses. Está antes em saber se uma regulação desta natureza compete ao Estado. Será que o Estado pode determinar em todos os casos a forma como dispomos da nossa saúde ou do nosso corpo? Que lugar pode existir para a liberdade individual? Creio que ao Estado compete apenas disponibilizar aos cidadãos toda a informação necessária para que estes possam tomar as decisões que acharem melhores para si. Registo que num universo de 230 deputados, apenas 5 (!) deputados votaram contra. Tal facto não é de estranhar mas é profundamente revelador. Será que os deputados que votaram a favor, contra tudo o que habitualmente defendem, acham que o Estado deve regular assuntos que pertencem ao foro íntimo da vida dos cidadãos? Ou será que isso nem sequer lhes passou pela cabeça? Por estas e por outras, começo a pensar que se hoje é o sal no pão, amanhã será o açúcar nos bolos, a cafeína no café, o cacau no chocolate, e assim por diante. Quando o Estado não se consegue auto-regular, as suas decisões começam a raiar os limites do absurdo…

 


06
Mar 09

 

Decididamente, o parlamento português transformou-se numa taberna muito mal frequentada. É que ontem num debate sobre energias renováveis, José Eduardo Martins, do PSD, reagiu com insultos às insinuações que Afonso Candal, do PS, lhe dirigiu. "Vai para o caralho", afirmou, mais do que uma vez, o deputado social-democrata depois do socialista ter insinuado que interesses particulares estariam alegadamente na base das preocupações energéticas de José Eduardo Martins. Tenho para mim que o maior insulto não foi o convite endereçado por José Eduardo Martins a Afonso Candal para que fizesse uma visita à genitália masculina, mas antes o que foi dirigido mais uma vez à inteligência dos portugueses. Infelizmente, este facto acabou por desviar a atenção do essencial que era a presença do ministro da Economia no parlamento com o objectivo de explicar o favorecimento de duas empresas na instalação de painéis solares. E isto, sim, é deveras preocupante...

 

 


26
Fev 09

 

Enquanto regressava a casa, vindo do trabalho, ouvia as notícias e tomei conhecimento que a interpelação ao Governo desta tarde, que tinha como tema a situação económica do país, foi afinal dominada pelo autêntico "negócio da China" entre a Caixa Geral de Depósitos e o empresário Manuel Fino. Parece que o nosso primeiro-ministro, no meio dos seus muitos afazeres, não teve conhecimento da operação CGD/Cimpor/Manuel Fino. Só pode ser uma brincadeira de muito mau gosto. Ou então os accionistas já não devem querer saber o que se passa nas empresas onde têm acções… Hoje a CGD veio a público defender o Governo e as suas palavras no Parlamento. Ainda por cima, dizendo que os 62 milhões de euros oferecidos num obscuro negócio a Manuel Fino têm um efeito positivo no património e nos resultados da CGD (!). É por estas e outras que eu "curto bué" os políticos e os empresários deste país…

 

publicado por Pensador Insuspeito às 20:55

Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


pensamentos que aqui deixaram
Olá!Também entrei hoje oficialmente de férias!=)E ...
Hmmm...simplesmnete o tipo ve a sua realidade ameç...
Que vergonha...só agora reparei que estás de volta...
Boas férias...e boa música.
Não sei se posso dizer que sou um frequentador da ...
Pinguim, ainda bem que gostaste. O tema é aliciant...
Toby, realmente com mentes tão tortuosas só se pod...
J. Coelho, como disse na resposta ao comentário an...
João, claro que o engate é independente dos locais...
Gostei imenso do teu texto.Parabéns! Abraço.
Prémio "Felizes Juntos"
Create your own banner at mybannermaker.com!
A Minha Música


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

mais sobre mim
pesquisar
 
Participa Na Sondagem!
Qual a orientacao sexual de quem me visita?
Homem heterossexual
Mulher heterossexual
Gay
Lesbica
Bissexual
Nenhuma
Nao sabe
  
pollcode.com free polls
Suspeito Que Estão...
online
Suspeitos Que Por Aqui Passaram
Hit Counters
Free Hit Counters

Generated image
blogs SAPO